Programa Entrevero Cultural – PEC
  • O Programa Entrevero Cultural reúne um conjunto de ações culturais voltadas à promoção e valorização dos saberes regionais nas diversas formas de expressão do folclore local.

    Publicado em 01/09/2017 às 15:46

  • Dia Internacional da Dança

    Publicado em 29/04/2019 às 15:53

    No dia 29 de Abril é comemorado o Dia Internacional da Dança que têm sua origem no balé francês (para mais informações sobre a história da data acesse: http://entreverocultural.curitibanos.ufsc.br/dia-internacional-da-danca/) e tem como principal objetivo homenagear uma das mais antigas movimentações artísticas e também das mais animadas. A dança é uma representação cultural, das mais variadas regiões do mundo.

    No Brasil, principalmente na região Sul, temos as danças gaúchas trazidas pelos colonizadores, principalmente por europeus no século XIX. Esta, possui características camponesas, como sapateado forte, movimentos rápidos e ágeis, além de serem contagiantes e expressarem respeito aos demais.

    Espetáculo Origens – canto e dança sul-americana – Proj. Estação Cultural FCC – 2018 | Foto: Tiago Amado

    Para mais informações sobre a história da data acesse: http://entreverocultural.curitibanos.ufsc.br/dia-internacional-da-danca/

    Fonte:
    Calendarr, Dia Internacional da Dança. Acesso em: 29 abr. 2019
    DINO. Terra, Barbaridade, tchê!  qual a origem da dança gaúcha?. Acesso em: 29 abr. 2019


  • Homenagem: Título de Cidadão Curitibanense.

    Publicado em 26/04/2019 às 22:14

    No dia 25 de Abril, o Programa Entrevero Cultural foi convidado a participar de uma sessão solene na Câmara Municipal de Vereadores, onde tinha como objetivo homenagear e entregar o título de cidadão curitibanense aos senhores Valdir Tagliari e Alcebíades Brocardo, que escolheram viver em Curitibanos e ao longo da vida contribuíram para o desenvolvimento do município. Durante a sessão além dos depoimentos prestados por eles, aconteceram várias homenagens de amigos e familiares.

    Juntamente com a filha do senhor Alcebíades Brocardo, o instrutor Marcos Froner Ferreira, prestou homenagem através de duas lindas músicas, entre elas, “Tocando em frente” de Almir Sater, escolhida pelo senhor Alcebíades Brocardo que ressaltou a escolha como descrição de sua vida. As canções foram tocadas em gaita e teclado e emocionaram todos os presentes.

    Valdir Ângelo Tagliari recebendo a placa de Cidadão Curitibanense. Fonte: Jornal A Semana, 2019.

     

    Alcebíades Brocardo recebendo a placa de Cidadão Curitibanense. Fonte: Jornal A Semana, 2019.

     

    Instrutor Marcos e a filha do senhor Alcebíades Brocardo prestando a homenagem.

     

     

     


  • Dia do Tropeiro em Santa Catarina

    Publicado em 26/04/2019 às 15:00

    No dia 26 de abril é comemorado o Dia do Tropeiro no Estado de Santa Catarina. A origem se deve à data de morte do padre Cristóbal de Mendonza e Orelhana, em 1733. Este, foi o primeiro tropeiro brasileiro vindo do pampa argentino, seu destino era o Rio Grande do Sul, chegando em Santa Catarina no ano seguinte.
    Os tropeiros foram responsáveis pela comercialização e transportes de produtos, principalmente alimentícios e tropas de bovinos, além de informações em todo território brasileiro por muitos anos.

    Relatos do médico alemão Robert Avé-Lallemant em 1858, com destino à Lages – SC, onde fora montado à cavalo seguido por um guia:
    “-Demos aos nossos animais taquara verde ou cará, bambu verde e milho que havíamos trazido”,
    “Para nós próprios chamejava uma clara fogueira perto do rancho, assava-se carne seca num espeto e preparava-se café”.
    “… A carne seca com farinha foi comida com a mão e o café tomado no copo de chifre, feito de chifre de gado. Depois, cada um arrumou seus arreios, os animais para protegê-los das onças foram trazidos para bem perto do rancho e ao nosso lado estavam as pistolas bem carregadas, espingardas e facas. Certamente, se as onças e bugres se atravessassem entre nós, se dariam mal! …”
    “… a nossa fogueira foi conservada, ao passo que nós, cada um por sua vez, dormíamos excelentemente. E quando rompeu a manhã de 09 de junho, estava bem disposto todo o grupo de viajantes, inclusive cavalos e burros. Com o resto do jantar fizemos o pequeno almoço (café da manhã) e prosseguimos…”

    Para saber mais sobre a história do Dia do Tropeiro em Santa Catarina acesse: http://entreverocultural.curitibanos.ufsc.br/2018/04/26/dia-do-tropeirismo-em-santa-catarina/

    Tropeiros. Fonte: Fotos históricas -Pinterest, 2019.

     

    Tropeiros conduzindo a tropa. Fonte: Fotos históricas – Pinterest, 2019.

    Referências:

    BLOG – HISTÓRIA CATARINA – Tropeirismo em Santa Catarina. Dezembro 2017. Disponível em: http://historiacatarina.com.br/blog/2017/12/12/tropeirismo-em-santa-catarina/. Acesso em: 26 abr. 2019.

    PASQUALE, Overmundo – Tropeiros: uma saga de 250 anos. Abril 2007. Disponível em: http://www.overmundo.com.br/overblog/tropeiros-uma-saga-de-250-anos. Acesso em: 26 abr. 2019.

     


  • Dia do Chimarrão

    Publicado em 24/04/2019 às 10:18

    O chimarrão, é uma bebida típica da América do Sul. No Brasil, o maior consumo é na região sul, por isso é um símbolo da tradição gaúcha. O chimarrão é tão importante que ganhou até uma data oficial de comemoração. O Dia do Chimarrão foi instituído a partir da Lei Estadual nº 11.929, de 20 de junho de 2003. A escolha dessa data para celebrar a bebida e comida símbolo dos gaúchos, foi uma homenagem para o primeiro Centro De Tradição Gaúcha do mundo, o CTG 35, que foi fundado no dia 24 de abril de 1948.

    Relatos históricos afirmam que os soldados espanhóis tinham como costume o uso e preparo da bebida conhecida como chimarrão, esta, transportada na garupa dos seus animais pelo estado do Rio Grande do Sul. As margens do rio Paraguai, caminho das tropas militares, tinha sua vegetação constituída basicamente por florestas de taquaras, as quais, eram cortadas e utilizadas em formato de copos como recipiente para a bebida em questão. Ainda, a bomba também era feita por pequenos canos dessas taquaras, com furos na extremidade inferior e abertura na superior.

    A origem da palavra chimarrão é espanhola e portuguesa, onde, em espanhol cimarón, significa bruto, chucro, bárbaro, vocabulário este, empregado em quase toda a América Latina, caracterizando os animais domésticos que posteriormente se tornaram selvagens.

    Barbosa Lessa (História da erva mate, 57) citou que a palavra chimarrão foi empregada pelos colonizadores da Prata, para caracterizar aquela bebida amarga, a qual não tinha mistura de outro ingrediente que suavizasse o gosto, consumida pelos nativos.

    Ainda, o professor francês Auguste Saint Hilaire mencionou em setembro de 1820, quando hospedava-se na estância de José Correia que: “O uso dessa bebida é geral aqui. Toma-se ao levantar da cama e depois várias vezes ao dia. (…)”.

    A erva-mate é o principal ingrediente para o preparo do chimarrão. É utilizado suas folhas bem como caule e ramos para o preparo do chá. Em cada região onde é consumido, o chimarrão recebe um nome diferente, podendo ser chamado de mate, chimarrão, tererê e etc, ainda apresentando-se em diversos designers (Figura 1).

    Figura 1 – Diferentes apresentações de chimarrão. Fonte: Gauchazh, 2015.

    Os primeiros utensílios de chimarrão eram bastante simples, já que eram os nativos que costumavam tomar. As cuias, chamada por eles de caiguá, eram feitas de porongo e as bombas, por sua vez, feitas de taquaras que chamavam de Tacuapi. Com a popularização do mate entre os colonizadores, os utensílios passaram a ser aprimorados, sendo usados principalmente cuias e bombas de prata e ouro.

    Na atualidade, há utensílios de diversos materiais, sendo ainda bem comum o uso de porongo para a cuia, por ser um material resistente. Existe ainda, por exemplo, cuia de pêra feita do corpo do porongo, cuia saco-de-touro, revestida com a capa dos testículos do terneiro, cuia de madeira, cuias em couro com acabamentos de metal entre outras. Comumente são enfeitadas com brasões, pingentes e acabamentos rebuscados.

    A bomba, que consiste em um canudo com um filtro na ponta que serve para deixar passar apenas o líquido e manter a erva dentro da cuia, também ganhou uma nova forma, que visa principalmente a facilidade de preparar e consumir o mate. Seguem a mesma linha das cuias, sendo comumente personalizadas. O material mais comum utilizado para o feitio é o aço inox, mas ainda existe o costume de utilizar bombas inteiras ou com detalhes em prata e ouro. Existem vários tipos, entre eles a tipo colher-que tem um formato arredondado que auxilia a retirada da erva-mate da cuia na hora da limpeza.

    A erva-mate é produzida da planta cujo nome científico chama-se Ilex paraguaienses, possui dentro da sua classificação popular, dois tipos comumente utilizados: a pura Folha ou Tipo Argentina (é feita só da folha) e a Barbaquá ou Tipo Missioneira (maior aproveitamento da erveira usando folha e caule).

    O preparo do chimarrão se dá de várias maneiras, entre elas a mais utilizada (Figura 2) é a descrita a seguir:

    • Colocar a erva-mate em ⅔ da cuia.
    • Tapar com a mão ou vira-mate a boca da cuia inclinando-a para ajeitar a erva, que deve ficar assentada de um lado só, deixando um espaço vazio.
    • Bater suavemente na superfície externa da cuia para que o pó mais fino se desloque para o fundo.
    • Colocar a cuia novamente na vertical com cuidado para que a erva não caia.
    • Despejar a água morna para umedecer a inchar a erva aguardando alguns instantes.
    • Preencher com água quente, tendo o cuidado de não deixá-la ferver. O melhor é respeitar o aviso da chaleira, que começa a chiar aos 80º.
    • Introduzir a bomba no fundo da cuia, apoiada na erva, mantendo o bocal fechado com o dedo polegar, até assentá-la bem.

    Figura 2 – Modo tradicional de preparo do chimarrão. Fonte: Papo de homem, 2010.

    Referências:

    Calendarr, BRASIL, Dia do Chimarrão. Disponível em: https://www.calendarr.com/brasil/dia-do-chimarrao/. Acesso em: 23 de abr. 2019;

    D.T.G. TROPEIROS DA SOLIDARIEDADE, Projeto Cultural – Erva-mate Chimarrão Acampamento Farroupilha 2008. Disponível em: http://www.tropeirosdasolidariedade.xpg.com.br/ErvaMateChimarraoFolheto.pdf. Acesso em: 23 abr.2019.

     


  • I SEMINÁRIO DE DANÇAS TRADICIONAIS E GERAÇÕES COREOGRÁFICAS

    Publicado em 19/03/2019 às 23:37

    Nos dias 16 e 17 de março de 2019 o Programa Entrevero Cultural esteve presente na cidade de Abdon Batista, participando do evento intitulado como “I SEMINÁRIO DE DANÇAS TRADICIONAIS E GERAÇÕES COREOGRÁFICAS”, coordenado por Giovani Primieri, instrutor dos Conjuntos Folclóricos Flor de Ipê e Celeiro da Tradição e idealizador e coordenador do projeto Celeiro da Poesia.

    O evento abordou estudos sobre os aspectos interpretativos das danças tradicionais gaúchas e do tropeirismo biriva conforme a classificação das gerações coreográficas segundo as pesquisas de João Carlos Paixão Côrtes, e oficina sobre elaboração de projetos culturais através da Lei Rouanet, trazendo como palestrantes principais Magda Regina Barp, Gabriela Haas Bigaton, Paulo Bigaton e Eduardo de Sá.

    Magda Barp (Instituto Humaniza) durante a Oficina sobre a elaboração de projetos culturais através da Lei Rouanet.

     

    Professor Marcos e Bruna, participante da Cia de Dança, durante apresentação da dança denominada como “Pezinho”.

     

    Professor Marcos durante apresentação da dança denominada como “Chotes Carreirinho”.

     

    Da esquerda para a direita, Giovani Primieri (coordenador do evento), e os palestrantes: Paulo Bigaton, Gabriela Haas Bigaton e Eduardo de Sá.

     

    Professora Carine L. Glienke (coordenadora do Programa Entrevero Cultural), professor de dança Marcos F. Ferreira e casal de integrantes do Conjunto Folclórico Flor de Ipê de Abdon Batista.


  • Dia Mundial dos Animais

    Publicado em 04/10/2018 às 21:34

    A origem da data se deu no ano de 1931 durante uma convenção de ecologistas em Florença. A escolha levou em consideração o fato do dia 4 de outubro ser o dia de São Francisco de Assis, considerado o santo padroeiro dos animais.

    Continue a leitura >


  • Dia da Música – 1º de Outubro

    Publicado em 01/10/2018 às 20:49

    No dia 1º de outubro celebra-se o Dia Internacional da Música, instituído em 1975, pelo International Music Council, organização não governamental fundada com o apoio da UNESCO, com o objetivo de promover valores de paz e amizade por intermédio da música, levando a  todos os setores da sociedade.

    Continue a leitura >

     


  • Comemoração da Semana Farroupilha

    Publicado em 25/09/2018 às 20:12

    O PEC (Programa Entrevero Cultural), em parceria com o Botinas Bar, realizou nos dias 18 a 22 de setembro, a Comemoração da Semana Farroupilha. O objetivo do evento foi promover diferentes manifestações da cultura sul-americana através da arte, música, comida típica, danças e atividades tradicionais gaúchas além de estimular a socialização e interação entre comunidade acadêmica e comunidade local através de atividades culturais.

    O evento foi organizado pela bolsista Letícia de Oliveira (acadêmica de Medicina Veterinária), sob a coordenação da professora Carine Lisete Glienke e professor Marcos Froner Ferreira, além do auxílio das bolsistas Júlia Elizabeth Proença e Karina Kirschner Goede (acadêmicas de Engenharia Florestal).

    Em todas as noites, os trabalhos de organização das atividades foram executados pelos integrantes da Companhia de Dança Entrevero Cultural, com o intuito de bem atender o grande público que sepresente, totalizando cerca de 150 participantes por noite.

    Em nome do PEC, agradecemos a todas as pessoas que se fizeram presente durante a semana. O nosso objetivo com a realização do evento foi alcançado graças à colaboração de todos.

    Vocês são a certeza do nosso sucesso!

     

    Torneio de Vaca Parada que aconteceu na quarta-feira (19/09/2018) e sexta-feira (21/09/2018).

    Integrantes da Cia de Dança e locutores auxiliando durante o Torneio de Vaca Parada, realizado na quarta-feira (19/09/2018).

    Entrega de premiação do Torneio de Vaca Parada realizado na quarta-feira (19/09/2018).

    Declamação de poesia durante a “I Tertúlia Livre”, realizada na quinta-feira (20/09/2018).

    Bailongo de encerramento com Charlinho e Rancho do Cavalo Véio realizado no sábado (22/09/2018).

    Gaiteiros em apresentação durante a “I Tertúlia Livre”, realizada na quinta-feira (20/09/2018).

    Integrantes da Cia de Dança durante a “I Tertúlia Livre”, realizada na quinta-feira (20/09/2018).

    Torneio de Truco realizado na sexta-feira (21/09/2018).

    Churrasco de Encerramento da Semana Farroupilha realizado no sábado (22/09/2018).

    Assadores Oficiais do Churrasco de Encerramento da Semana Farroupilha, realizado no sábado (22/09/2018).

     

     

     

     

     

     

     


  • Dia do Gaúcho – 20 de Setembro

    Publicado em 20/09/2018 às 17:24

    Inserido na Semana Farroupilha, o Dia do Gaúcho é comemorado no dia 20 de Setembro. Esta é uma data que serve de homenagem a um dos episódios mais importantes para a comunidade dos gaúchos, que é a Revolução Farroupilha ocorrida em 20 de setembro de 1835.

    Na década de 1940, grupos de tradicionalistas resolveram manter as tradições do povo gaúcho criando a Ronda Gaúcha, conhecida também como Ronda Crioula, que ocorria entre os dias 7 e 20 de setembro para festejar a Independência do Brasil e a Semana Farroupilha. Em 1947, estudantes gaúchos se organizaram também para preservar as tradições e no ano seguinte fundaram o MTG (Movimento Tradicionalista Gaúcho).

    Por meio da lei de número 4.850 de 11/12/1964, promulgada pela Assembleia Estadual do Rio Grande do Sul, oficializou-se a Ronda Gaúcha, que passou a ser chamada de Semana Farroupilha. Por isso, em 1996, o dia 20 de setembro, foi oficializado como Dia do Gaúcho.

    “Se você bate no peito e diz “eu sou gaúcho”, é porque você conhece suas origens. É diferente com pessoas que não tem essas heranças. Não podem bater no peito e dizer “sou gaúcho”. Não, você é rio-grandense. Nasceu no Rio Grande do Sul. Gaúcho é um estado de espírito, não é um nascer, é querer ser!” – Paixão Cortês.

    Para mais informações sobre esta data comemorativa, acesse o link:

    http://entreverocultural.curitibanos.ufsc.br/semana-farroupilha-e-dia-do-gaucho/


  • Semana Farroupilha

    Publicado em 12/09/2018 às 13:53

    A Semana Farroupilha é a maior festa popular do Rio Grande do Sul, esse período é dedicado ao culto da tradição gaúcha. Acontecem desfiles em homenagem à lideres da Revolução Farroupilha, os quais lutaram por liberdade, igualdade e humanidade. Junto a Semana Farroupilha temos também o dia do Gaúcho que esta relacionado com o dia em que teve início a Revolução Farroupilha – 20 de setembro de 1835 e terminou em 1º de maio de 1845.

    No Estado de Santa Catarina, a Semana Farroupilha foi instituída pela Lei Estadual nº 17.228, de 18 de agosto de 2017. A comemoração, que integra o calendário oficial de eventos do Estado, acontece no período de 13 a 20 de setembro, com os objetivos de rememorar a luta dos heróis farrapos e de incentivar o movimento tradicionalista gaúcho nos Municípios catarinenses.

    ”(…) você bate no peito e diz “Eu sou gaúcho”, porque você conhece suas origens. É diferente com pessoas que não tem essas heranças. Não podem bater no peito e dizer “sou gaúcho”. Não, você é rio-grandense. Nasceu no Rio Grande do Sul. Gaúcho é um estado de espírito, não é um nascer, é querer ser!” – Paixão Cortês

    Para saber mais sobre a Semana Farroupilha acesse o link abaixo:

    Semana Farroupilha e Dia do Gaúcho